Ensinamentos do Budismo para Crianças

 

O Budismo está cada vez mais presente na vida da família ocidental e com isso muitos pais podem-se perguntar como introduzi-lo na educação das crianças, já que ele é permeado por ensinamentos profundos, que podem exigir muita reflexão, no entanto, se olharmos o Budismo assim como ele é, podemos compreender que transmitir os conceitos budistas pode ser mais simples do que imaginamos, porque muitos desses conceitos ensinam, na verdade, a respeitar a todos seres sencientes; a natureza; a viver o presente; buscar a harmonia; perceber-se interligado a tudo.

Certos conceitos, talvez, possam ser refletidos com mais maturidade, contudo, o Budismo possui muitos aspectos que podem ser ensinados aos pequenos de uma forma lúdica e com sensibilidade é possível alcançar as mentes e os corações dos pequenos. Como o Budismo dedica-se também no desenvolvimento do discernimento e da compaixão, e busca alcançar a sabedoria, devemos utilizar recursos inerentes a ele para apresentar tais conceitos às crianças. Os contos, que apresentam diversos elementos do mundo infantil e que encantam as crianças, são excelentes maneiras para transmitir ensinamentos.

No intuito de auxiliar a todos que buscam uma maneira de introduzir o Budismo na vida dos pequenos o Budismo Hoje criou uma série de publicações sobre esse assunto, neste primeiro artigo, apresentamos dois contos que trazem instigantes reflexões e podem ser aproveitados no momento de leitura de pais e filhos. Trazemos também o relato de uma mãe praticante e as experiências obtidas ao incorporar as práticas budistas na educação e vivência de sua filha.

 

Contos

Siddharta e o Cisne

Siddharta era o filho de um rei. Quando ele era pequeno, um sábio disse que seria um grande rei, mas que um dia abandonaria o palácio para ajudar os outros. Preocupado com isso, o pai o seguia de perto e desde criança o levou para ter aulas com os melhores professores do reino.

Siddharta gostava muito dos animais, principalmente de cuidar deles. Um dia ele encontrou um cisne ferido por uma flecha. Enquanto cuidava do animal, seu primo Devadatta apareceu e lhe disse que a ave era dele. Depois de uma discussão, finalmente decidiram consultar o rei para encontrar uma solução.

Ambos contaram sua versão do ocorrido. Sob o olhar perplexo de todos no palácio, um homem idoso sugeriu que o animal preferiria ficar com quem o salvou, e não com quem quis matá-lo. Nesse momento, Devaratta se deu conta de que os animais também têm sentimentos: eles podem sofrer e amar.

Então, o cisne foi curado e, assim que pode voar de novo, voltou para sua família.

 

Viver o Presente

Essa é a história de uma conversa entre um homem e um ancião. O primeiro perguntou ao idoso qual era o segredo para se tornar sábio. O ancião lhe disse uma coisa muito simples. Ele contou que o essencial é viver o momento presente.

O ancião explicou ao homem que, quando come, ele simplesmente come; quando dorme, simplesmente descansa; quando conversa com outra pessoa, ele se dedica a fazer exclusivamente isso.

“Mas eu também consigo fazer isso mesmo sem ser um sábio” – o homem respondeu.

“Acho que não” – disse o sábio ancião. – “Quando você dorme, está pensando nos problemas que teve ao longo do dia. Quando come, pensa no que vai fazer mais tarde. Enquanto você conversa comigo, pensa no que vai me perguntar ou responder antes que eu termine de falar. ”

“O segredo” – concluiu – “reside em estar consciente do que fazemos no momento presente e, assim, aproveitar cada minuto do milagre da vida. ”

 

Para que o período da leitura seja de prazer e aprendizado sugerimos que escolham momentos tranquilos para iniciar a contação. Ao longo da história seria interessante questionar às crianças sobre a compreensão do texto, o que elas mais gostaram, etc., assim, elas podem ser parte integrante do momento. Esse momento também pode proporcionar um exercício de atenção plena aos pais e aos pequenos, pois juntos podem compartilhar o momento presente. Ao final da leitura pode ser uma experiência estimulante incentivar as crianças a fazerem desenhos sobre a história contada.

Assim que os desenhos estiverem prontos compartilhem conosco. Ficaremos felizes em publicá-los em nosso site e no stories do nosso perfil do Instagram.

Os desenhos podem ser enviados para o e-mail jornalbudismohoje@gmail.com

 

Além dos contos, deixamos aqui mais algumas dicas de leitura:

 

Eu medito e me conheço: Os exercícios do Pequeno Sábio para acolher as emoções e desenvolver a atenção

Autora/Ilustradora: Sophie Raynal

Livro que ensina, de forma prazerosa, como dar os primeiros passos para começar a meditar. Indicado para crianças a partir de 6 anos.

 

A Semente da Compaixão: Lições da vida e ensinamentos de sua Santidade, o Dalai Lama

Autor: Dalai Lama

Ilustrador: Bao Luu

Pela primeira vez, o Dalai Lama escreve diretamente às crianças. Um texto simples e poderoso, com ilustrações vibrantes.

Uma ferramenta para as famílias transmitirem às crianças o valor do amor e da compaixão, cada vez mais necessários no mundo em que vivemos.

 

O Pote Vazio

Autor/Ilustrador: Demi

Um dia, um Imperador distribuiu sementes de flores às crianças do seu reino para que as cultivassem e lhe trouxessem o resultado de seu trabalho. Ao final de um ano, o menino Ping só conseguiu apresentar um pote vazio. Mas o que parecia um fracasso tornou-se um grande triunfo. Com ilustrações primorosas e um texto de simplicidade comovedora, Demi nos conta uma bela fábula sobre a honestidade recompensada.

 

Fonte:

https://amenteemaravilhosa.com.br/5-conselhos-budismo-educar-nossos-filhos/

https://www.youtube.com/watch?v=Gjb1T57CAd8

https://soumamae.com.br/3-contos-budistas-para-criancas/

https://www.amazon.com.br/Livros/b/?ie=UTF8&node=6740748011&ref_=nav_cs_books_7b0b2bfb19e549c08dda5390bbf25139