Depoimento de Praticante

 

Como compartilhar o Dharma às crianças pelos olhos de uma mãe praticante

 

Desde que me interessei pelo Budismo tenho buscado transmitir à minha filha um pouco sobre os preciosos ensinamentos que venho aprendendo ao longo da minha própria prática. Minha filha hoje está com 4 anos e começou a fazer perguntas mais complexas sobre morte, velhice e a vida. Além dessas questões filosóficas, também crescia em mim uma necessidade de conversar com ela sobre a moralidade a partir do ponto de vista budista, paralelo a iniciação da meditação.

Acredito que a prática da meditação seja inserida de forma mais natural em sua formação, porque em nossa casa eu e meu esposo praticamos zazen diariamente e ela sabe que temos os momentos do dia em que praticamos e aos poucos ela tem se interessado em sentar e observar a sua mente. Por outro lado, comecei a ter dificuldade sobre como abordar as questões filosóficas e morais budistas, tendo em vista que os ensinamentos budistas podem ser considerados “duros” e “difíceis” até para adultos formados. Outra dificuldade que enfrentei era a comparação do Budismo com outras práticas religiosas. Fui criada em família católica, frequentei catequese até a minha adolescência, onde recebi os ensinamentos cristãos. Tendo essa experiência em mente, comecei a buscar por algo como um “catecismo budista” para crianças, mas não encontrei, porque o Budismo tem outra lógica e tem origem em outra cultura, diferente da nossa cultura ocidental e tem outra forma de ver o mundo.

Até que durante meus estudos me deparei com o conceito dos Jatakas que são antigos contos indianos que retratam as vidas passadas de Buda; na Ásia tem sido usado há séculos como parábolas infantis para ensinar o que é certo e o que não é, o que deve ser feito ou não.

Em outro momento durante leitura do livro Velho Caminho, Nuvens Brancas, do mestre Thich Naht Nanh, deparei-me com diversas passagens em que Buda conversa com crianças. O autor do texto descreve as cenas de forma tão delicada e lúdica que logo pensei em usá-las no meu cotidiano com a minha filha.

Certo dia estávamos a mesa conversando e minha filha contou-me sobre um problema na escola, um colega de sala que não tinha se comportado bem com o outro colega. Então lembrei-me de um trecho do livro no qual Buda fala sobre amizade entre um cervo, uma tartaruga e uma pequena ave. Na história ele teria sido um cervo há milhares de anos. Então tentei trazer a história para a minha filha, assim como aos poucos introduzir a figura de Buda no nosso cotidiano. Essas fábulas trazem como personagens principais a antropomorfização de animais, o que encanta as crianças.

Para mim conhecer sobre os Jatakas e saber que há um mundo a se descobrir sobre como falar de valores e Budismo com as crianças foi um grande alívio. Mudarmos a nós mesmos e trabalhar com as crianças valores tão necessários como compaixão e harmonia, de certa forma, é mudar o mundo.

 

Texto de Liana Oliveira Lopes Borges. Praticante na Daissen Ji. Escola Soto Zen.